O mínimo que preciso saber para entrar para o mercado de trabalho jurídico e ninguém me falou

 

 

Por óbvio que você precisa passar por uma faculdade para dominar as diversas matérias das quais o meio jurídico, em um geral, se compõem. No entanto, as faculdades formam técnicos do direito, pois o mercado de trabalho jurídico exige muito mais.

Na faculdade nada falam sobre o quanto você precisa saber sobre marketing jurídico e o quanto precisará inovar neste meio. Nada falam também sobre gestão de escritórios, negociações, sobre a precificação do seu trabalho, enfim, você sai de uma faculdade, ou ao menos se espera que saia, com a base formada, mas nada sabe ainda sobre o traquejo que o mercado exigirá de você.

Verdade seja dita, não basta que você tenha a carteira da OAB, o fato é que a advocacia é uma atividade empresarial e não se aborda muito na faculdade sobre como executar esta atividade empresarial de maneira sustentável e efetiva. Além disso, seus resultados raramente serão de curto prazo e sim de médio e longo prazo.

Por este motivo é que elencamos algumas dicas que podem te ajudar a não tomar aquele susto ao colocar o primeiro pé no mercado de trabalho:

 

  1. Trabalhe duro: não importa quantas audiências assistiu durante o período da faculdade, nem mesmo quantas horas de trabalho voluntário você prestou junto ao núcleo de prática da sua faculdade, nada se compara a um caso real. Somente a advocacia vai lhe ensinar o que precisa e, por isso, não ter medo é o segredo! Trabalhe. Peça ajuda se necessário, mas vá adiante!
  2. Não há vagas: esta é uma condição de mercado óbvia! Somos mais de um milhão de advogados no país, você não espera que existam vagas suficientes para todos nos escritórios de advocacia, certo? Então, a realidade é que se você precisa/quer começar a exercer a advocacia, encaminhar seu currículo, sentar e esperar pode não ser o melhor caminho. Como já dito antes, você precisa ter coragem e, desde já, procurar os meios mais fáceis de angariar experiência e a correspondência certamente se trata de um destes caminhos.
  3. Seja persistente: saiba que ser advogado te trará realizações. Uma delas virá com seus primeiros passos. Aquele momento em que você se sentirá, enfim, um profissional da advocacia ao vencer os primeiros obstáculos e receber os primeiros agradecimentos… No entanto, ao falarmos de realização financeira, tenha em mente que castelos não são construídos da noite para o dia. Persistência é a palavra que rege o sucesso. Como já dito antes, com algumas raras exceções, os resultados financeiros palpáveis na advocacia se dão em longo prazo. A construção de um nome profissional referência exige tempo e muita dedicação. Então, tenha em mente o alcance dos seus objetivos, tenha tolerância com as coisas que nem sempre dão certo, aprenda com os erros, assuma riscos e chegue lá!
  4. Trace sua estratégia: é simples, você não pode ir do primeiro para o último degrau de uma escada sem antes subir aqueles que se encontram entre eles! Sua evolução profissional se assemelha a esta escada com o diferencial de que em uma escada a linha é reta, e em sua vida profissional as curvas serão muitas. Você terá de vencê-las com sabedoria para não ficar pelo caminho. Estabeleça metas que possam ser vencidas, planeje suas ações de maneira que você consiga executá-las e, atingindo estes objetivos, passe para os próximos passos.
  5. Marketing: na faculdade não te disseram que você precisaria ser empreendedor, administrador e dominar marketing, mas sim, precisa. Em um primeiro momento, em                                         especial, você precisa saber se vender. É necessário ser competente no que faz, obviamente, mas este elemento é o mínimo que qualquer profissional tem deve ter quando se propõem a             fazer algo. Saber desenvolver um bom marketing pessoal, aliado a um planejamento de mídia, é o ideal! Com os avanços tecnológicos sendo utilizados cada vez mais como aliados no                     alavancar de carreiras, o marketing jurídico é condição para o sucesso na advocacia, sempre seguindo limites éticos e disciplinares da OAB que, diga-se de passagem, são bem rigorosos.

 

Com o passar do tempo você aprende o que tem de aprender. Somente o cotidiano te dirá onde precisa se aprimorar, mas estas dicas são os pontos mínimos que você precisa saber para não sair perdendo.

Tenha em mente que a advocacia é uma atividade empresarial que deve ser desenvolvida de maneira sustentável. Seus resultados na área jurídica dependem de um profissional com postura pró-ativa e que deseje, realmente, uma carreira sólida, feliz e de sucesso.

 

 

 

Texto: Marília Vargas

Revisão: Jonnathan Tibes